The Days of Paul McCartney

THE DAYS OF PAUL McCARTNEY O título está em inglês, pois se refere às canções de Paul McCartney com a palavra day. Podemos usar este tema recorrente para termos sua visão diante da passagem dos dias e as intepretações dadas por ele em suas canções.   Yesterday Uma reflexão depois da perda de um amor…

Mais uma Fender Stratocaster vermelha!!!

FENDER, STRATOCASTER E VERMELHA! Eu li, certa vez, uma pesquisa na qual se constatou que a maioria dos entrevistados ao ouvir a palavra ‘guitarra’ pensava em uma Fender Stratocaster vermelha. Não participei da pesquisa, mas estou na moda (no sentido estatístico como o valor que ocorre com maior frequência). Sou um Strateiro. Essa história começa…

My Life has been a Song

. MY LIFE HAS BEEN A SONG Este artigo é baseado nas frases marcantes do Alan e em uma declaração do Vanildo, sujeito simples que trabalhava como caseiro na chácara do meu irmão. Em uma prosa, perguntei-lhe sobre música, e ele me veio com essa “uma pessoa faz uma música sobre um assunto e ela…

Vamos Voar nas Asas da Música

“A música não é Red Bull, mas te dá asas” (Paulo) Sei que o rock é um trem bão, sô! Então resolvi e Vou Morar no Ar, música do Casa das Máquinas), bem na Linha do Horizonte do Azimuth). Isto porque acabo de ouvir “On Air” em sua primeira edição em LP – vinil azul…

Belchior: “Viver é melhor que sonhar”

. Quando no ensino médio, as colegas não podiam ver uma prancheta – equipamento muito usado na época – ou uma folha de caderno alheio que lá vinham “pensamentos filosóficos”. Um dos mais famosos dizia: “Viva hoje, pois o ontem já passou e o amanhã talvez não virá!”. O cantor e compositor cearense Antônio Carlos…

Na Segunda Fila do show de Al Stewart

. Eu andava meio “invocado” com a música One Stage Before do álbum “Year of the Cat” de Al Stewart. Uma letra enigmática que, segundo Mr. Stewart, seria sobre reencarnação, mas que eu enxergava apenas a vontade do músico em tocar ao vivo. Trechos como “and some of you are harmonies to all the notes…

Ô Trem Bão, Sô!

. Ô TREM BÃO, SÔ! Uma portaria do amigo Augusto (hoje secretário municipal de cultura) me designou para um projeto elétrico no prédio da antiga estação ferroviária de Anápolis, inaugurada em 1954 e recém-restaurada. A ideia é instalar nesse espaço o museu da imagem e do som. Em visita ao local, Ralf (o estagiário) perguntou…

Beto Guedes e o seu “Amor de Índio”

.  SOL DE PRIMAVERA “Quando entrar setembro e a boa nova andar nos campos…” Assim começa Sol de Primavera, a primeira música do sétimo disco (contando com as participações) do mineiro de Montes Claros, Beto Guedes. Iniciei assim porque estamos em setembro, mas nosso assunto é o seu sexto e melhor disco: “Amor de Índio”,…

Disco Nota 11: “Flaming Pie” – Paul McCartney

José Maurício . TORTA FLAMEJANTE Os anos 90 começaram muito bem para os beatlemaníacos, particularmente pra mim que pude ajudar Paul McCartney bater o recorde de publico pago em show de rock.  Eu fazia parte dos mais de 184 mil fans que foram ao Maracanã naquela noite chuvosa de abril ajudar Sir James. Ele ainda…

Al Stewart e seu “Year of the Cat”

José Maurício . O ANO DE 1978, ANO DO CAVALO Em 1978 – cursando primeiro ano de engenharia na UFG – eu me deslocava de Anápolis todos os dias em um Passat 77 amarelo (rachávamos a gasolina) que possuía um toca-fitas TKR 150. Nas proximidades do lago João Leite (bem antes da existência deste), João…

Eagles e o seu “Hotel California”

José Maurício . SOLOS DE GUITARRA ME CONQUISTAM Este foi um dos primeiros LPs que comprei, já em 1977, para ouvir em uma recém adquirida vitrola Philips, cuja tampa (única, infelizmente) era a caixa de som. A escolha desse disco dentre tantos desejados e tão escassos recursos disponíveis, deu-se pelo solo final da música título.…

Disco Nota 11: “Please Please Me” – Beatles

José Maurício   Um dos principais capítulos da história do rock (como conhecemos hoje com todas as suas vertentes, não apenas rock’n’roll) começou a ser escrito no dia 11 de fevereiro de 1963 quando os Beatles entraram no estúdio da EMI para gravar seu primeiro Long Play. Em pouco mais de onze horas foram gravadas…

Disco Nota 11: “Krig-ha, bandolo!” – Raul Seixas

José Maurício     . O quarto LP de Raul Seixas, “Krig-Ha, Bandolo!” – nome tirado do grito de Tarzan, das histórias em quadrinhos – foi lançado em junho de 1973. Antes dele – que é de fato o primeiro álbum “prá valer” de Raul – tivemos “Raulzito e os Panteras” (1968), “Sociedade da Grã-Ordem…

Disco Nota 11: “Breakfast in America” – Supertramp

José Maurício     Em 1977 mudei-me para Goiânia para a conclusão do segundo grau (científico, naquele tempo). Faria o terceiro ano e me prepararia para o vestibular. Matriculei-me no Colégio Carlos Chagas do Setor Universitário (onde hoje é o Teatro Escola Basileu França) por indicação de meu amigo dos tempos de Colégio São Francisco,…

Sociedade da Grã-Ordem Kavernista

José Maurício         SOCIEDADE DA GRÃ-ORDEM KAVERNISTA APRESENTA SESSÃO DAS 10 Antes de se tornar mito do rock brasileiro, Raul Seixas, após o fracasso comercial de “Rauzito e os Panteras” (seu primeiro disco), tornou-se produtor da CBS. Em 1971, influenciado por “Freak Out” (1966), de Frank Zappa, e “Sgt. Pepper’s Lonely Hearts…

Capas de LPs, uma forma de arte – I

José Maurício LONG PLAY (VINIL) X COMPACT DISC (CD) Provavelmente, você já ouviu essa discussão antes, os audiófilos consideram que o vinil reproduz o som com mais fidelidade que o compact disc, pois sendo uma mídia analógica possui graves mais “profundos” com frequências inaudíveis, mas que podem ser sentidas pelo corpo humano.   Esses audiófilos…

Disco Nota 11: “What’s Going On” – Marvin Gaye

José Maurício CARTAS DO VIETNÃ Um soldado volta da guerra do Vietnã e encontra injustiça social, sofrimento e racismo em seu país. Esta é a visão de um disco conceitual de soul music lançado em maio de 1971. “What’s Going On” é o título do mais importante disco da música negra norte americana que incluía…

Marina, O Show

José Maurício Conheci o Rio de Janeiro em 1988. Desde então montei a trilha sonora que me remete ao paraíso, que me traduz a cidade maravilhosa: Coisas do Brasil (Guilherme Arantes e Nelson Mota), Only a Dream in Rio (James Taylor) e Virgem (Marina Lima e Antônio Cícero). Quando voltava do show do Elton John…

Disco Nota 11: Gita – Raul Seixas

. AVE KRISHNA No verso 18 do capítulo 10 do “Bhagavad Gita” (Canção de Deus), o guerreiro Arjuna provoca: “Em vão me concentro em meditação. Oh! Ensina-me, com clareza e precisão, a tua grandeza e perfeição do teu Ser; porquanto, jamais me saciarei da tua sabedoria”. Krishna não define Divindade, mas descreve seus principais atributos,…

Pholhas e o seu “Dead Faces”

  Quando o Wander Mass Group abandonou as músicas instrumentais que animavam as festas de colégio, Wanderley e Tinho deixaram o grupo. Paulinho (Paulo Roberto Fernandes, bateria/vocal), Oswaldo (Oswaldo Malagutti Jr, baixo) e Hélio (Helio Santisteban, teclado/violão/vocal) convidaram o beatlemaníaco Wagner Tadeu Benatti (Bitão, guitarra/vocal) para formarem os Pholhas.   Com a censura implacável, as…

Begher BR6: A saga de uma guitarra

José Maurício . Eu escolhi fazer engenharia elétrica porque era o que mais se aproximava de guitarra elétrica. Pensei em fazer letras, mas eu gostava era de música… A primeira vez que me encontrei ao vivo com uma guitarra foi em 1976 no grupo de jovens da Igreja Bom Jesus. Ela havia sido adquirida pelo…