Memórias, Momentos e Músicas: The Clash – “This Is Video Clash”

THE CLASH

Durante a década de 80 existiu em Goiânia  um lugar diferente de tudo que havia na cidade naqueles tempos. Um lugar que tinha a proposta de unir uma gastronomia diferenciada com várias formas de arte. Foi lá que pela primeira vez eu comi uma quiche lorraine, e assisti a clipes da MTV americana gravados em fitas VHS.

O lugar se chamava Arroz de Neon Video Bar – ou simplesmente Video Bar – e era localizado no Setor Oeste. Um ambiente descolado, com aparelhos de TV espalhados nas paredes e que passavam basicamente clipes de bandas de rock – se bem que até o filme “O Império dos Sentidos” eu revi por lá.

Radio Clash_03

Eu ia muito lá, pois achava a proposta genial: arte + comida + cerveja! Numa das vezes em que estive lá, com meu amigo Ricardo Rezende Costa, fui surpreendido primeiramente com um grito numa introdução de um clipe e depois fui completamente seduzido pelo balanço irresistível de um rock funkeado – ou será rapeado? – de This Is Radio Clash do meu querido The Clash.

Eu não a conhecia, até aquele dia, pois essa música não foi lançada em nenhum álbum do Clash – e eu já tinha todos! Precisei comprar a fita VHS “This Is Video Clash” da qual ela fazia parte.

Radio Clash_04

Capa da fita “This Is Video Clash”

Ela é uma canção incendiária e inovadora para sua época. Uma canção, como de costume da banda, bastante engajada que grita feroz pela liberdade e pelos direitos humanos como se fosse uma transmissão pirata de rádio.

MÚSICA

Anúncios

2 comentários sobre “Memórias, Momentos e Músicas: The Clash – “This Is Video Clash”

  1. mauro.pastinha@hotmail.com – E.MAILS=2018/160 – – – 10/Domingo = 02:57
    SE DEUS NOS PERMITIR, PAZ & BEM, A TODOS NÓS
    Vias = ROCKONTRO & PAULO FERNANDES
    DISCO NOTA 11 = MEMÓRIAS, MOMENTOS & MÚSICA = THE C L A S H – THIS IS VIDEO

    Obrigado, PAULÃO. Em minha vida sempre estive alguns anos à frente de meus
    contemporâneos, que me julgavam (até hoje) um Maluco Beleza. Amei o vídeo
    e odiei a música inexistente (funk e rap não são músicas). Lembrei dos meus
    anos carregando pelas ruas de Anápolis, de bicicleta ou à pé, um daqueles
    rádio portátil gigantesco, e que consumia boa parte de meu pequeno salário,
    pois usava seis pilhas GGG. – VELHOS TEMPOS – BELOS DIAS – M A C T U B E !

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s