Disco Nota 11: “Falso Brilhante” – Elis Regina

Paulo Fernandes

Falso-Brilhante_01

ABAIXO A GUITARRA ELÉTRICA

Quem diria? A mesma Elis Regina que havia, no final da década de 1960, sido uma das lideres da passeata contra a guitarra elétrica na música brasileira (tendo conseguido arrastar até o tropicalista Gilberto Gil para tal insanidade), caiu de cabeça no rock (com guitarra elétrica e tudo mais) menos de uma década depois.

Jair Rodrigues, Elis Regina, Gilberto Gil e Edu Lobo na passeata

Jair Rodrigues, Elis Regina, Gilberto Gil e Edu Lobo na passeata

Bom para nós, ouvintes. Em 1976, aquela que é considerada como a melhor intérprete da música brasileira lançou um dos melhores álbuns da chamada MPB (música popular brasileira): “Falso Brilhante”. O grande diferencial desse álbum e que suas duas musicas inicias, Como Nossos Pais e Velha Roupa Colorida, ambas de Belchior, são rocks. Mas não é só isso, uma atmosfera de rock mais ou menos diluída permeia alguns outros momentos do disco, como em Quero de Thomas Roth ou Jardins de Infância de João Bosco e Aldir Blanc.

Falso-Brilhante_10

Um dos grandes méritos de Elis Regina, além de ser uma grande intérprete, foi o de impulsionar a carreira de jovens e talentosos compositores. Milton Nascimento, João Bosco, Zé Rodrix e Belchior (dentre tantos) devem muito à “Pimentinha”, como era conhecida a irrequieta Elis.

DO CIRCO PARA O DISCO

O álbum, que é brilhante até no nome, nasceu do sucesso de um espetáculo que teve mais de 1.200 apresentações entre 1975 e 1977. Chamado de “Falso Brilhante”, o show contava histórias da vida e da carreira de Elis Regina, usando uma ambientação circense.

"Falso Brilhante", o espetáculo

“Falso Brilhante”, o espetáculo

Com o sucesso de “Falso Brilhante”, o show, Elis selecionou algumas músicas para a gravação de “Falso Brilhante, o disco de estúdio.

Um álbum perfeito que ainda conta com arranjos de César Camargo Mariano, na época marido de Elis.

Falso-Brilhante_09

Podemos comprovar a versatilidade de Elis Regina nesse álbum em que, além dos rocks e da MPB, ela interpreta com emoção a música Los Hermanos do argentino Atahualpa Yupanqui e Gracias a La Vida da chilena Violeta Parra, ambas de forte cunho social e humano, isso em uma época de ditadura militar no país.

Falso-Brilhante_07

E, para emocionar meus pais, fazendo-os lembrar da juventude, uma versão em português para um ícone do cancioneiro francês: Fascinação, que foi gravada por dezenas de artistas (entre eles Nat King Cole). Como vocês podem ver um disco para integrar diferentes gerações.

 Falso-Brilhante_08

 

FAIXAS

 

Lado 1

   1) Como Nossos Pais (Belchior)

   2) Velha Roupa Colorida (Belchior)

   3) Los Hermanos (Atahualpa Yupanqui)

   4) Um Por Todos (João Bosco, Aldir Blanc)

   5) Fascinação (F. D. Marchetti, Maurice de Féraudy – versão: Armando Louzada )

Lado 2

   1) Jardins de Infância (João Bosco, Aldir Blanc)

   2) Quero (Thomas Roth)

   3) Gracias a La Vida (Violeta Parra)

   4) O Cavaleiro e os Moinhos (João Bosco, Aldir Blanc)

   5) Tatuagem (Chico Buarque, Ruy Guerra)

MÚSICAS

Clique na imagem para ouvir as músicas: Falso-Brilhante_CP

Anúncios

Um comentário sobre “Disco Nota 11: “Falso Brilhante” – Elis Regina

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s