Atrações internacionais reforçam diversidade de sotaques do Goiânia Noise

Com uma programação que traz 53 shows com bandas de todo o País, do Rio Grande do Sul ao Pará, passando pelo Paraná, São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Ceará e Alagoas, além de Goiás, claro, o 23º Goiânia Noise Festival faz um panorama da atual produção musical independente brasileira e apresenta uma enorme diversidade de estilos, linguagens, voltagens e calibres do bom rock and roll.  Para deixar ainda mais interessante essa mistura de sotaques, o festival conta ainda com quatro atrações internacionais vindas de lugares inusitados como a Ucrânia, Finlândia, Argentina e Portugal, além de uma banda brasileira formada por norte-americanos.

Nessa “Torre de Babel” do Goiânia Noise, o maior destaque é o Stoned Jesus. Carismáticos e barulhentos, os ucranianos voltam ao Brasil para uma turnê especial e comemorativa de cinco anos do álbum Seven Thunders Roar, que será executado na íntegra. O disco é considerado como o divisor de águas da banda e responsável por alçar o Stoned Jesus à linha de frente da cena stoner rock mundial. Estão nele todos os elementos que tornaram o Stoned Jesus um dos nomes mais interessantes da atualidade: o groove do stoner metal e as melodias de guitarras acústicas, transportados ao universo do rock progressivo com nuances de psicodelismo.

STONED JESUS (UCRÂNIA)

Stoned Jesus (Ucrânia)

Outra banda de língua complicada é o Bob Malmström. Vindos da Finlândia, eles se autodenominam os criadores e reis do “borgarcore” – algo como um hardcore divertido, crítico e requintado, daí o motivo das fotos sempre com roupas alinhadas e textos que falam de champagne e aristocracia. O grupo já tem dois EP’s e dois álbuns no currículo desde 2010, quando começou suas atividades.

BOB MALMSTRÖM (FINLÂNDIA)

Bob Malmström (Finlândia)

Falando português, mas com o sotaque da Pátria Mãe, aparece o Dirty Coal Train. Atração do domingo, o grupo é um power trio com inspiração no DIY do punk e no cinema de série B onde coabitam com monstros, vampiros, múmias, ovnis e demais parafernálias que ambientam um som que mistura garage rock, punk e surf.

Hablando español, aparece o Las Diferencias. Revelação do rock argentino, a banda vem pela primeira vez ao Brasil. Formado por Andrés Robledo (voz e guitarra), Alejandro Navoa (baixo) e Nicolás Heis (bateria), o grupo portenho ganhou a simpatia da crítica em 2016 com o álbum “Al borde del filo”, que rendeu a eles o prêmio Carlos Gardel de melhor disco de rock.

LAS DIFERENCIAS (ARGENTINA)

LAS DIFERENCIAS (ARGENTINA)

Para finalizar essa diversidade de sotaques gringos, uma banda que se chama justamente Os Gringos. Formada em 2014, por quatro nativos dos EUA e um brasileiro de Itajubá (MG), a banda apresenta um som de qualidade enraizado em rock, blues, southern rock e psicodelia. Muita presença de palco e improvisos que fazem os shows serem apresentações sempre únicas.

.

O FESTIVAL

O 23º Goiânia Noise Festival acontece de 18 a 20 de agosto, no Jaó Music Hall, e traz ainda em sua programação nomes como Raimundos, Camisa de Vênus, Pato Fu, Odair José, Edgard Scandurra (do Ira!) e Project46. Os ingressos estão à venda na Tribo Restaurante (Rua 36, St. Marista), República da Saúde (Rua 89, St. Sul), Hocus Pocus (Av. Araguaia, Centro), Harmonia Musical (Rua 4, Centro), Woodstock Bar (Av. D, St. Oeste), Loja do Ervilha (Rua C-30, Jd. América) e Seven Urban Shop (shopping Buena Vista). Vendas online pelo https://meubilhete.com/goianianoise2017

Anúncios

Um comentário sobre “Atrações internacionais reforçam diversidade de sotaques do Goiânia Noise

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s