Yes, We Can

 

fotoYES palco_CP

YES, WE CAN

Uma das vantagens de morar no centro da região metropolitana de Anápolis (a grande Anápolis) é ser servido pelas importantes cidades satélites de Goiânia e Brasília. Conta a história que as duas capitais foram deslocadas da Cidade de Goiás (no caso de Goiânia) e da Guanabara (no caso de Brasília) e construídas para servir à cidade de Anápolis.

Howe, Downes, Davison, White e Squire

Brincadeiras à parte, pude experimentar dessa vantagem duas vezes durante esse mês de maio. No dia 6 fui a Goiânia ver o show do Paul McCartney (sem morar lá e ter que conviver com a pecuária) e dia 19 a Brasília para o show do Yes. Nos dois casos, voltei e dormi em casa.

Eu já havia comprado o ingresso para o Pedro, mas o Rafael, o Fernando e eu fomos “na tora”, para comprar na bilheteria. Como o ingresso de R$100,00 estava sendo vendido por R$60,00 (ingresso de cortesia) e eu estava acompanhado por dois “turcos”, compramos o de venda proibida.

O repertório do show

Embora no começo do show o volume do teclado estivesse baixo e só se ouvisse os pratos e a caixa (para desespero do baterista Rafael) o pessoal da mesa foi equalizando e logo já estávamos ouvindo as músicas de forma impecável.  O repertório foi composto por três álbuns tocados na íntegra: primeiro o “Close to the Edge” (1972) seguido pelo “Going for the One” (1977). Após um intervalo de vinte minutos tivemos o “The Yes Album” de 1971. Durante algumas partes o público se manifestava com aplausos e gritos, mas na maioria do show ficávamos ouvindo, apenas ouvindo. Festa mesmo, como num show, foi durante o bis ao som de Roundabout (the music dance and sing), do álbum “Fragile”, quando “colamos” no palco.

Foi a segunda apresentação da Spring Tour, que começou no dia 16 de maio no Peru e segue para Curitiba (21), São Paulo (23 e 24), Rio de Janeiro (25) e Porto Alegre (26). Das formações que gravaram os três álbuns, continuam Steve Howe (guitarras), Chris Squire (baixo) e Alan White (bateria), que participou apenas do álbum “Going for the One”. Completam a banda o tecladista Geoff Downes (ex The Buggles e Asia) e o vocalista Jon Davison (não Anderson) que também canta no Glass Hammer. Confesso que, como o Fernando, senti mais falta do Rick Wakeman que do Jon Anderson. Foi um show memorável e já posso acrescentar no currículo ter visto mais um dos melhores guitarristas do mundo.

DETALHES

1) O título Yes We Can porque foi muito fácil chegar, comprar, entrar e sair: estacionamos a 20 metros da bilheteria, não havia flanelinha, comemos após o show (de quase três horas) e às duas da manhã já estava em casa.

2) Como eu já havia visto Rick Wakeman no Estádio Olímpico e Jon Anderson do Bolshoi, completei a minha formação preferida do Yes.

3) Até agora estou pensando como o Rafael passou pra dentro da pista sem o segurança

notar…

4) Fernando disse “A coisa estava tão fácil que entramos no ginásio por 2 vezes, uma sem ingresso e outra com o ingresso em mãos”.

ANÁLISE TÉCNICO-FILOSÓFICA, DO FERNANDO, SOBRE O SHOW

Reconhecido internacionalmente como um super colecionador de guitarras e autor de um livro sobre elas, Steve Howe utilizou muito poucos instrumentos: Gibson ES-345 (que usou durante todas músicas do “Close to the Edge”); Fender twin neck; Line 6 Variax 700, onde ele simulou diversos instrumentos, como a Jerry Jones Coral Sitar e um 12 cordas acústico; violão Martin; uma viola portuguesa de 10 cordas, já tradicional com ele; sua famosa Gibson ES-175 (aquela que ele comprava uma passagem de avião exclusiva para ela como Mr Gibson para levá-la na cabine); Gibson Les Paul VG-88; Steinberger 12 cordas (exclusivamente em Awaken); Fender Telecaster customizada por ele; Fender Stratocaster. Todas ligadas em um amplificador Line 6.

Chris Squire, mais humilde se limitou a utilizar seu Rickenbacker de 1964, um Fender Jazz Bass, um Ranney 8 cordas e um \”triple neck\” exclusivamente em Awaken.

Geoff Downes se portou como o Stu Sutcliffe em sua rápida passagem com os Beatles, tocando de costas a maior parte do tempo.

Alan White, preciso como sempre, é nossa ligação com os Beatles, pois tocou com o ex baixista do Riff Raff, Paulo César.

Um comentário sobre “Yes, We Can

Deixe uma resposta para Dionisius Endy Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s