Disco Nota 11: “Breakfast in America” – Supertramp

José Maurício

 

Breakfast_01

 

Em 1977 mudei-me para Goiânia para a conclusão do segundo grau (científico, naquele tempo). Faria o terceiro ano e me prepararia para o vestibular. Matriculei-me no Colégio Carlos Chagas do Setor Universitário (onde hoje é o Teatro Escola Basileu França) por indicação de meu amigo dos tempos de Colégio São Francisco, Humberto Dafico. Tendo apenas um rádio como companheiro em uma cidade desconhecida, tomava trechos de músicas como narrativa dos fatos de minha vida (“Eu sou apenas um rapaz latino americano/ sem dinheiro no banco/ sem parentes importantes e vindo do interior…” ou “This city desert makes you feel so cold/ it´s got so many people but it’s got no soul…”) e tomava conselhos com algumas delas para seguir em frente (“And when you wake up it’s a new morning/ the sun is shining, it’s a new morning/ and you’re going you’re going on.”). Embora Garry Rafferty tenha escrito e cantado “you’re going home, (você está indo pra casa) eu teimava em ouvir “you’re going on (você está seguindo em frente).

Breakfast_05

Nesse período aprendi a sentir e respeitar a poesia e a prosa. Embora morasse num “quase cortiço” na Rua 68, quase esquina com a AV. Paranaíba, Aloísio Azevedo não era tanto quanto Raul Pompéia, pois até hoje guardo o início de “O Ateneu”: “Vais enfrentar o mundo, disse-me meu pai à porta do Ateneu. Coragem para a luta. Bastante experimentei depois, a verdade dessas palavras…”. Goiânia seria meu Ateneu pelos próximos seis anos.

Breakfast_03

A difícil jornada foi vencida, principalmente pela ajuda de amigos encontrados nesses anos e que ainda hoje são os meus grandes amigos. O processo de crescimento e transformações ocorridas durante essa batalha está brilhantemente descrito em Logical Song, com conselhos importantes até para tempos de ditadura ( now watch what you say, or they’ll be calling you a radical, a liberal, oh fanatical, criminal…). Acho que todos nós, de uma forma ou de outra, passamos por isso. Vamos então ao Disco Nota 11: “Breakfast in America”.

Breakfast_04

Lançado em março de 1979, o sexto disco da banda inglesa Supertramp está entre o progressivo e o pop (também literalmente, pois foi precedido do excelente “Even in the Quietest Moments” e precedeu “Famous Last Words” ). E é, sem dúvida o auge do Supertramp. Um álbum equilibrado começando por Gone to Holywood que parte de uma depressão (“you’re not what we’re looking for” / Ain’t nothing new in my life today / Ain’t nothing true it’s all gone away) e termina de forma positiva (So keep your chin up boy / Forget the pain / I know you’ll make it / If you try again ). Logical Song é o ápice do auge (será que isso existe?). Tudo funciona bem: letra, música e arranjo, uma obra prima. Goodbye Stranger que tem a interpretação de Rick Davies também foi um hit do álbum que se chamaria Hello Stranger. E a inspiração e competência continuam na música que dá nome ao disco. Breakfast in America é uma saudação à terra das oportunidades e da riqueza (pelo menos naqueles tempos). O lado A termina com Oh Darling, puro romantismo.

Breakfast_02

Take the long Way Home abre o lado B com um dilema entre o casamento  (And then your wife seems to think you’re part of the furniture…) e o palco (And when you’re up on the stage, it’s so unbelievable / Unforgettable, how they adore you). Segue uma oração, Lord is it mine, que parece uma continuação de outra ainda mais linda: Babaji, do álbum anterior. Just another Nervous Wreck vale pelo solo de guitarra (coisa rara no Supertramp). Casual Conversations parece o complemento de Take the long Way Home (pela segunda vez se usa a expressão “a quem culpar”) com a separação do casal. O disco é encerrado com Child of Vision, a mais longa música do álbum, com um belo instrumental onde a banda toda participa.

Depois de todo esse tempo as palavras de Logical Song ainda soam profundamente. Mas hoje, depois de tudo e devido à passagem desse mesmo tempo o verso mais forte é, sem dúvida When I was Young, it seemed that life was so wonderful, a miracle, oh it was beautiful, magical!

.

FAIXAS

Todas as faixas compostas por Rick Davies e Roger Hodgson.

Lado A

1) Gone Hollywood
2) The Logical Song
3) Goodbye Stranger
4) Breakfast in America
5) Oh Darling

Lado B

1) Take the Long Way Home
2) Lord Is It Mine
3) Just Another Nervous Wreck
4) Casual Conversations
5) Child of Vision

.

MÚSICAS

. 

Ouça o álbum completo, clicando na imagem abaixo:

Breakfast_GV

Anúncios

2 comentários sobre “Disco Nota 11: “Breakfast in America” – Supertramp

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s