Emerson Lake & Palmer e sua Arte Universal

Escrito por: Derimar de Carvalho

Os três elementos do grupo tinham 22 anos quando formaram a banda. Todos nascidos nos subúrbios de Londres, começaram a tocar muito cedo desde rock até blues. Mais tarde se interessaram pela música clássica e pelo jazz. Em 1968 Keith Emerson e Greg Lake se encontraram em São Francisco. Keith tocava no conjunto The Nice e Greg no King Crimson. Na volta pra Inglaterra os dois saem dos seus conjuntos e vão a procura de um baterista. Carl Palmer se juntou em agosto de 1970, e logo após estreavam no Festival da Ilha de Wight. A plateia é tomada de surpresa pelo trio que usa canhões para causar espantosos efeitos.

Neste ano é lançado o primeiro álbum da Banda, chamado “Emerson Lake & Palmer” e conhecido como o disco da pomba de onde sai o hit Lucky Man. Em 1971 é a vez do álbum “Tarkus”, um grande sucesso para a banda.

No dia 26 de Março de 1971 eles gravam o show no Newcastle City Hall, que deu origem ao álbum ao vivo “Pictures At An Exhibition”, baseado na obra do compositor russo Modest Mussorgsky e lançado naquele mesmo ano. O disco é uma obra de arte!

Com seu quarto álbum, ”Trilogy”, de 1972, o trio começava a conquistar o mundo. No final de 1973 é lançado “Brain Salad Surgery”, com este disco a banda chega ao topo do sucesso mundial.

Os 6 primeiros álbuns: ELP, Tarkus, Pictures at an Exhibition, Brain Salad Surgery e Welcome Back… Coleção: Derimar de Carvalho

O ELP usou, e ensinou outras bandas a usarem, tudo que a tecnologia contemporânea pôs a serviço da música. Apesar de ser apenas um trio, concebeu e executou obras com a complexidade e a sonoridade de uma orquestra de câmara.

Em 1974 é lançado um álbum triplo gravado ao vivo intitulado ”Welcome back my Friends, to the Show that never ends – Ladies and Gentlemen Emerson Lake & Palmer”.

Após lançamento de quatro álbuns de estúdio e dois gravados ao vivo o trio já começa a sentir aquele peso do desgaste das turnês e a necessidade de parar e procurar outros caminhos musicais, coisa que cada um estava inclinado a buscar.

Depois da turnê mundial “Welcome Back My Friends To The Show That Never Ends”, que incluiu toda a Europa, EUA e chegou até o Japão, de onde foram extraídas as músicas para o famoso álbum triplo em vinil, o trio resolve dar uma parada.

A banda retorna em 1977 com um álbum que mudou os seus rumos musicais: “Works”. Keith Emerson concluiu seu tão sonhado Piano Concerto n. 1, Greg Lake continua, agora mais livre, a compor suas baladas e Carl Palmer se dedica ao jazz que é, segundo ele, a inspiração que fez com que ele se tornasse baterista.

E ainda neste álbum não poderia faltar o carro-chefe do trio que sempre foi fazer versões progressivas de grandes obras clássicas. Aqui eles executam a versão rock para Fanfare For The Common Man do compositor clássico Aaron Copland. O álbum termina com Pirates uma canção com letras de Greg Lake em parceria com Pete Sinfield, que havia colabado nas letras de algumas músicas do “Brain Salad Surgery”.

Works I e II, Love Beach e In Concert. Coleção: Derimar de Carvalho

Ainda no ano de 1977 lançam “Works Vol.2” e as brigas internas começam a ficar mais acirradas. Durante o ano de 1978, o trio saiu em uma turnê pela América do Norte, finalizando-a no Canadá. Em termos financeiros a turnê foi um fracasso. Como levavam junto uma orquestra em cada apresentação, os custos se tornavam cada vez mais altos.

Para cumprir contrato com a gravadora, em 1979, eles produzem o álbum “Love Beach”. Muitos fãs se decepcionaram com o disco, principalmente pela capa onde os três estão fazendo poses a la Bee Gees, segundo a imprensa. Neste trabalho mais uma versão de uma obra clássica: Canario (da “Fantasía para un Geltilhombre”) do espanhol Joaquín Rodrigo.

Em 1986, Emerson e Lake se juntam ao baterista Cozy Powell e lançam o álbum “Emerson Lake & Powell” de onde sai o single Touch and Go. Mais uma vez o trio dá uma parada e continuam com seus trabalhos solos.

“Black Moon” é lançado em 1992 em uma nova tentativa de reunir a banda. No ano de 1994 foi lançado ”In The Hot Seat”, o nono e último álbum de estúdio do trio.

10 de março de 2016, mais uma noticia que abala o cenário da música mundial: Keith Emerson é encontrado morto, com um tiro na cabeça, em sua casa na cidade de Santa Monica – EUA. A perícia realizada concluiu que foi suicídio. 7 de dezembro do mesmo ano, Greg Lake perde sua batalha contra um câncer.

Para os fãs que ainda sonhavam em uma possível reunião do trio o sonho acabou.

Emerson Lake & Palmer foi uma banda que mudou, e muito, vários conceitos de como se fazer música e criou uma arte universal. Foi o fim de uma era grandiosa para o rock!

VÍDEOS











5 comentários sobre “Emerson Lake & Palmer e sua Arte Universal

Deixe uma resposta para Paulo Fernandes Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s