Capas de LPs, uma forma de arte – I

José Maurício

LP_Mosaico

LONG PLAY (VINIL) X COMPACT DISC (CD)

Provavelmente, você já ouviu essa discussão antes, os audiófilos consideram que o vinil reproduz o som com mais fidelidade que o compact disc, pois sendo uma mídia analógica possui graves mais “profundos” com frequências inaudíveis, mas que podem ser sentidas pelo corpo humano.

Joy Division

Capa de “Unknow Pleasures” do Joy Division

 

Esses audiófilos defendem que isso também acontece nos sons agudos, já que o CD está limitado em 48.000Hz e, embora nosso ouvido só possa detectar sons até 16.000Hz, o corpo é capaz de sentir acima dessas frequências. Já os defensores do CD minimizam essas diferenças em função da comodidade da tecnologia digital.

Não, não iremos discutir as vantagens e desvantagens dessas mídias, no nosso caso o LP é quatro vezes melhor que o CD: nosso assunto é a capa.

ARTE EM 32X32cm

O tamanho maior proporciona a inclusão de pôsteres (geralmente 90x60cm), a desmontagem da capa como na primeira edição do “Expresso 2222” de Gilberto Gil:

expresso 2222 capa desdobrada

Ou o interessante “Canto das Três Raças” da Clara Nunes:

canto das três raças - clara nunes

Um LP do Rick Wakeman chamado “No Earthly Connection”, de 1976, tem fotos distorcidas na capa e contra capa e instruções para a montagem de um cilindro espelhado (a partir de uma folha contida no álbum) que quando colocado no centro da foto faz a correção mostrando o rosto do tecladista.

rick_wakeman2

Em alguns casos a força da comunicação visual da capa é tanta que dispensa até  o nome do disco, ou do artista,  é o caso de “Atom Heart Mother” do Pink Floyd, mais conhecido como o “disco da vaca”.

Atom heart mother

Temos ainda o picture disc onde a foto da capa é estampada no próprio vinil. Como exemplo o disco homônimo do Emerson, Lake & Palmer, conhecido como “disco da pomba”:

ELP_PD

Com o advento das câmaras digitais a capa do LP ganhou uma nova utilidade que já tem até site: o sleeveface (troca-se a face do fotografado pela do artista na capa). Tem uma história engraçada que envolve esse site e a captura de imagens da internet, já contada aqui. Existe também a montagem feita com dois ou mais LPs “emendando” as fotos.

montagem de capas

Poderia começar toda essa história com o disco “Axe Victim” do Be Bop Deluxe, um disco que comprei pela capa e só fui ouvir em casa. Se gostei? A capa contava o som contido no disco: rock puro, guitarra matadora!

Axe Victim

Ou pela capa simples do “Álbum Branco” dos Beatles que traz apenas a inscrição The Beatles em alto relevo. Ou ainda por uma capa antológica do Pink Floyd mostrando um prisma decompondo uma luz branca em vermelho, laranja, amarelo, verde, azul e violeta (curiosamente o anil não aparece): “The Dark Side of The Moon”.

White album

Detalhe do “Álbum Branco” com o nome em alto relevo (e numeração).

O DISCO DA BANANA

Começarei pelo disco que, segundo muitos, elevou aquele espaço de 32x32cm de envelope de LP à categoria de arte, embora já existisse muita arte antes dele: “The Velvet Underground & Nico”, com capa de Andy Warhol o artista pop produtor da banda que forçou a entrada da vocalista Nico na gravação do LP de estréia do grupo. Uma banana ilustra a capa com a inscrição “Andy Warhol” no canto inferior direito. Na primeira edição havia uma inscrição após uma seta indicando o talo da fruta: PEEL SLOWLY AND SEE, ou seja, descasque vagarosamente e veja. Acontece que a banana era um adesivo que escondia a imagem da fruta descascada e em tom rosa, um símbolo fálico. Com a dificuldade de se colar o adesivo disco por disco, nas outras edições a idéia foi abandonada.

VU_01

A primeira versão da capa: só com o nome de Warhol e com a ponta para puxar.

 

warhol_banana_peeled

A banana sendo descascada.

Esse disco foi marcado por brigas na justiça. Já na primeira edição, vieram os problemas com a contra capa que por conter imagem não autorizada do filme “Chelsea Girls” de Paul Morrissey e do próprio Warhol. Esse problema forçou a gravadora a recolher o disco. Além disso, muita gente desavisada achou que o disco era de Andy Warhol fazendo com que na segunda edição o nome da banda e de Nico figurasse na capa.

VU_04

Versão com o nome do grupo e sem beirada para puxar.

Passados quarenta e cinco anos, esta capa ainda frequenta os tribunais. Em setembro o Velvet Underground perdeu uma ação que reivindicava para si os direitos autorais sobre a capa de Andy Warhol, alegando que a banana se tornara um ícone da banda.

Capa interna com a banana totalmente descascada.

Capa interna com a banana totalmente descascada.

DETALHES

Se você estiver com sorte, ainda poderá encontrar a edição original do disco no ebay com a banana por ser descascada custanto apenas USD 900,00 e com frete grátis.

Ao abrir meu disco (picture disc) lacrado do Velvet, para este artigo, descobri que no fundo da capa aparece a banana descascada.

Cara-de-Capa made in Anápolis:

sleeveface com axe victim

A capa de “Sticky Fingers” (1971) dos Rolling Stones, que vinha originalmente com um ziper de verdade, também foi criada por Andy Warhol:

rolling-stones-sticky-fingers-zipper-up

Anúncios

Um comentário sobre “Capas de LPs, uma forma de arte – I

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s