Disco Nota 11: “Synchronicity” – Police

Eu assisti recentemente a um documentário sobre o Sting, no qual ele diz que sua música é muito influenciada pelos livros dos quais ele gosta. No quinto e último álbum do Police, a inspiração para o título – e duas canções do disco – veio do livro “Raízes da Coincidência” do escritor Arthur Koestler, que por sua vez se inspirou no conceito da ‘sincronicidade’ do psiquiatra Carl Jung.

O álbum “Synchronicity” foi lançado em 1983. É o álbum mais bem sucedido do Police, graças a um excepcional grupo de canções, entre elas a balada Every Breathe You Take.

As faixas irmãs Synchronicity I e Synchronicity II foram influenciadas pelo conceito de Jung, para o qual a sincronicidade é a relação de simultaneidade entre um estado psíquico e uma situação externa que, embora não possuam relação aparente ou estabelecida conscientemente, podem alterar a compreensão da realidade.

Syncronicity II,para mim, é a melhor música do álbum e uma das melhores do Police. Um rock cheio de vigor e que deu origem a um dos melhores videoclipes da história da música.

Carl Gustav Jung

Porém o forte do álbum são as baladas e elas dominam o lado B do disco: além de Every Breathe You Take, temos as belas King of Pain, inspirada pela recente separação conjugal de Sting, Wrapped Around your Finger, outra canção pessoal de Sting e Tea in the Sahara, inspirada pelo livro “O Céu que nos Protege” de Paul Bowles. O livro de Bowles foi adaptado para o cinema por Bernardo Bertolucci.

A canção Wrapped Around your Finger, faz referência à mitologia grega: “preso entre Cila e Caríbedes”, uma alusão à difícil escolha do herói Ulisses de passar com seu navio entre duas monstruosidades marinhas. Cita também Mefistófoles, personagem da lenda alemã “Fausto”.

The Police

Em sua sonoridade, é perceptível no álbum um afastamento do reggae e do ska que haviam marcado forte presença nos álbuns anteriores. Há também um uso mais acentuado de sintetizadores.

O único ponto negativo deste ótimo álbum do Police é a horrorosa Mother, escrita e cantada pelo guitarrista Andy Summers.

Curiosidade: O álbum anterior do Police, “Ghost in the Machine”, foi inspirado por outro livro de Koestler: “O Fantasma da Máquina” (The Ghost in the Machine).

Arthur Koestler

FAIXAS

Todas as faixas compostas por Sting, exceto as indicadas.

Lado A

1) Synchronicity I
2) Walking in your Footsteps
3) O My God
4) Mother (Andy Summers)
5) Miss Gradenko (Stewart Copeland)
6) Synchronicity II

Lado B

1) Every Breathe You Take
2) King of Pain
3) Wrapped Around your Finger
4) Tea in the Sahara
5) Murder by Numbers
(Sting, Summers)

MÚSICAS


Synchronicity I

Walking in your Footsteps

O My God

Mother

Miss Gradenko

Synchronicity II

Every Breathe You Take

King of Pain

Wrapped Around your Finger

Tea in the Sahara

Murder by Numbers

2 comentários sobre “Disco Nota 11: “Synchronicity” – Police

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s